Now Reading: Review: Alterium Shift é feito na medida para fãs de Chrono Trigger

Loading
svg
Open

Review: Alterium Shift é feito na medida para fãs de Chrono Trigger

14 de julho de 20239 min read

A fascinação um dia gerada por Chrono Trigger, felizmente, dura há décadas. Por isso mesmo, que bom que muitos jogos aprenderam a copiar sem, necessariamente, serem mais do mesmo. É o caso de Alterium Shift, jogo em Early Acess (Acesso Antecipado) que o Supernovas teve acesso.

Logo de cara, ao nos apresentar o primeiro frame após se escolher iniciar o jogo, somos interessantemente testados. Nos é proposto que escolhamos entre três distintos personagens: Sage, Pyra e Atlas, este último foi a minha escolha.

Sage é um mago experiente e que lida bem com vários elementos. Sua Alterium Essence (AE) é evoluída e bastante, sendo ele um personagem útil para muitas batalhas. Seu cetro de ataque corpo a corpo, no entanto, é relativamente fraco, visto que tal arma não é a sua prioritária na hora de batalhar.

Já Pyra — a piromaníaca —, é uma líder nata que é expert em usar o fogo enquanto elemento primordial. Sua arma é uma lança relativamente potente.

Por fim, temos Atlas, um jovem passional que é expert em arquearia e é adepto do elemento do vento. Atlas é filho de Dolion, a principal referência da cidade em que o jogo inicia. É Dolion que lembra ao filho da importância do teste que haverá no dia seguinte. Tal teste, em maior ou menor grau, também envolve os destinos de Pyra e de Sage.

A jornada dos heróis

O teste do dia seguinte mencionado por Dolion, ao menos no caso de Atlas, envolve duas etapas. A primeira delas, mais física, é um desafio tutorial de enfrentar Dolion. Já a segunda etapa, envolve mais perspicácia e curiosidade do jogador.

A batalha, que é por turnos como um bom JRPG, não é sobre vencer Dolion, mas, resistir. O tempo que for, por sinal. Quão maior a a duração da batalha, mais o jogador se aproximará de uma bonificação melhor.

Encerrado o confronto tutorial, Atlas precisa subir as escadas para realizar o segundo teste do dia: uma prova. Ao receber a sua prova, Atlas deverá ir lendo cada enunciado das questões e deve responder a alternativa correta. E é aí que entra toda a perspicácia inicial de Alterium Shift.

Se a primeira coisa que fazemos com o personagem escolhido for enfrentar os testes, a prova será imensamente árdua. Afinal, a prova escolar lida com perguntas e respostas de caráter histórico dentro do contexto do próprio jogo. Para isso, pelo vilarejo, o jogador deve buscar conhecer mais e melhor aqueles habitantes. Conversar com os NPCs, folhear livros e prestar atenção em cada linha de diálogo farão a diferença.

As belezas de Alterium Shift

Na obra, há muita coisa que merece o devido destaque. Na minha experiência com o jogo, mais especificamente com Atlas, algo despertou minha atenção. Com ele, que é o personagem ligado à essência do vento, tive uma espécie sensorial relevante. Assim que saí do dojô/escola de Dolion, uma leve brisa atravessa o vilarejo. Se a experiência não for individualizada por personagens, ao menos significa que Atlas é o real protagonista da obra.

Este ocorrido sinaliza, ainda que de forma basta diminuta, o quão Alterium Shift preza por certos detalhes de forma especial.

E falando em belezas, a trilha-sonora do jogo é bastante cativante. Cada cenário, como tinha que ser, conta com sua própria trilha e efeitos. Já nas batalhas, há uma trilha característica que dá o tom da urgência do momento. E não poderia faltar, claro, um trilha temática para o fim de cada batalha, lembrando a saga Final Fantasy.

Como AS é bastante objetivo no que se deve fazer, ele precisa ser rápido em termos de transição da jogabilidade. E que bom que toda a transição entre menus, batalhas e saídas de batalha de AS é extremamente rápida. Tudo flui de forma satisfatória para que nossa experiência não seja delongada em esperas recorrentes entre telas.

E como trata-se de um jogo com uma mapa bastante generoso, é importantíssimo que ele flua como flui. Tal como acontece nos portais que encontramos pelo jogo, que modificam instantaneamente a área do jogo. É um atrativo instigante e que apresenta, além de novos desafios, uma série de incertezas.

Trailer de Alterium Shift

Os problemas de Alterium Shift

Nem tudo brilha como os cristais vistos no jogo. Em todo caso, em Acesso Antecipado, o jogo não precisa ser perfeito. Portanto, o que vem a seguir não tem o caráter de julgamento. São alertas para eventuais melhorais.

Ao mesmo tempo em que o mapa é generoso e bonito, ele também penaliza o jogador. E é sobre o mapa, além da questão sobre os objetivos e sidequests do game, que residem os maiores problemas. Se AS nos dá liberdade no mapa, também nos abandona e isola do objetivo principal. Por diversos momentos pela área geral do game, senti falta de menu de tutoriais.

Ou seja, temos a sensação de liberdade, o que é ótimo, mas em uma mapa confuso e problemático.

Faz falta, sendo assim, que o jogo possua uma lista de objetivos/sidequests. Se houvesse, seria mais difícil ou improvável que se esquecesse do objetivo ativo na ocasião.

Pela extensão do mapa, era necessário haver algo básico: os fast travels. A existência de viagens rápidas tornaria a transição entre mapas muito mais benéfica à experiência de quem joga. Porém, inexistem viagens rápidas no jogo, ao menos na versão jogada. Poderiam ser fast travels com base em portais, torres, pontos de descobertas no mapa, etc. Como não existem, cabe ao jogador se aventurar por atravessar toda a extensão do mapa em determinados instantes.

No mais, pode ocorrer que determinadas sidequests, sem muito pudor, se repitam quase que 100%. Em locais distintos do jogo, me foi solicitado que eu trouxesse animais perdidos pelo vilarejo para os donos. A diferença? No primeiro, me foi solicitado que eu resgatasse galinhas; no segundo, gatos.

Tal falta de originalidade acabou por ser um retrato objetivo da necessidade de certo polimento narrativo da obra.

O editor opina

Há potencial em Alterium Shift. De antemão, afirmo que o jogo não precisa ser um novo Chrono Trigger ou um descender de um Final Fantasy.

Basta que o game consiga fazer bem, ao sair do acesso antecipado, o que fez de forma mediana ou problemática. O mesmo jogo que encanta pela brisa do vento, está mal resolvido com relação à extensão do mapa e mais.

Apesar dos pesares, é um jogo que consegue entreter bastante quando acerta. E são muitos acertos. A Gravity Game Arise Co. e a Drattzy Games LLC, responsáveis pelo jogo, têm tempo. Alterium Shift sairá apenas em 2024. Até lá, o jogo seguirá em tratamento para que a experiência final tenha a excelência que aponta que terá.

svg

What do you think?

Show comments / Leave a comment

Leave a reply

Loading
svg